Inglês e inovação em baixa no Brasil

Embora o domínio de outros idiomas seja um pré-requisito em muitas carreiras, o Brasil não anda tão bem neste quesito, conforme uma pesquisa recente realizada por uma escola de idiomas internacional. No levantamento, o País caiu do 41º para o 53º lugar no ranking de proficiência em inglês compilado, o pior resultado desde 2012.

Segundo uma das maiores publicações brasileiras de negócios e economia, a pesquisa classifica o nível de conhecimento da língua inglesa de adultos em 88 países, usando como base um teste do idioma que, neste ano, foi feito por 1,3 milhões de pessoas. A nota brasileira foi 50,93, o que representa uma queda de cerca de um ponto na comparação com o resultado do ano passado.

Na visão dos especialistas, os resultados brasileiros não apresentaram evolução desde o início do estudo, o que acende um alerta para o mercado quando o assunto é inovação no país. Tecnologias como ‘machine learning’ e inteligência artificial estão acontecendo em saltos, e estão acontecendo em inglês, e um executivo ou empreendedor que não usa inglês no seu dia a dia acaba tendo limitações. O estudo identificou que os países com maior proficiência também são, em média, os que mais investem em pesquisa e desenvolvimento.

O estudo classifica o nível de proficiência do Brasil como baixo. Chile, China, Japão e México estão na mesma faixa de conhecimento. Na América Latina, região que ficou estagnada na comparação com o ano passado, a Argentina é o país mais bem colocado (27º no ranking global), seguido da Costa Rica (36º), da República Dominicana (37º) e do Uruguai (40º). A Suécia, a Holanda e a Cingapura lideram o ranking, nessa ordem.

Dentre 59 cidades analisadas individualmente, as três capitais brasileiras incluídas apresentam resultados acima da média do país. Brasília teve nota 54,64, São Paulo ficou com 54,02 e o Rio de Janeiro, com 53,16, o que coloca todas na faixa de proficiência moderada.

Globalmente, pessoas com mais de 41 anos têm proficiência baixa, enquanto as faixa etárias mais jovens apresentam notas mais altas. Em média, mulheres tiveram resultados melhores que os homens. Nas empresas, profissionais do nível gerencial são os que falam melhor o idioma, acima dos altos executivos e dos demais funcionários.

.

______________________________________________________________________________________

MSA RH aborda no blog assuntos de interesse do mercado de trabalho e procura divulgar informações relevantes para os leitores, englobando temas do ambiente corporativo, como carreira, negócios e recursos humanos. É importante frisar que todos os dados e pesquisas apresentados neste espaço são de responsabilidade de fontes confiáveis, como institutos de pesquisa e veículos de comunicação de reconhecimento nacional e internacional.

O objetivo é, portanto, traçar um panorama imparcial sobre o universo profissional e gerar discussões sobre temas atuais e essenciais não só a quem vivencia o meio de RH, como a todos os profissionais brasileiros. Seja bem-vindo e contribua sempre com seus comentários, opiniões e sugestões!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Be Sociable, Share!

Deixe uma resposta