Convivendo com os difíceis

Em qualquer grupo que freqüentamos, encontramos tipos diferentes de pessoas. No ambiente de trabalho, é necessário aprender a relacionar-se com esses traços de personalidades difíceis, mesmo que superficialmente. Segundo a revista Psychology Today, alguns estereótipos difíceis foram identificados. Com certeza, a descrição de cada um deles o fará identificar pessoas da sua convivência que se encaixam no perfil.

O hostil leva tudo para o lado pessoal quando é contrariado, o suscetível é sensível à rejeição, preocupado com a desaprovação alheia, real ou imaginária, e o neurótico faz uma tempestade diante de qualquer conflito e o egoísta só enxerga o próprio umbigo. Lidar com cada um deles é uma habilidade necessária. Para isso, seguir alguns conceitos é fundamental para a convivência harmônica na empresa. A comunicação deve ser lógica, curta e objetiva, e o foco da conversa deve ser nele, não em você.

Além disso, tentar qualquer tipo de diálogo emocional ou tema polêmico é desperdício de tempo e perigoso. Não tente convencer pessoas com estes perfis de seu ponto de vista. Aceite-os como são. Segundo a psicóloga Harriet Lerner, especialista em relações explosivas, muitas vezes o problema só existe na cabeça do gestor. “Todos nós temos assuntos sensíveis em nossas vidas, e lidar com determinado tipo desperta lembranças ruins”.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Be Sociable, Share!

2 thoughts on “Convivendo com os difíceis

  1. Caros colegas,

    Realmente lhe dar com esses tipos de pessoas é difícil. Mas elas também nos faz melhorar no dia a dia, pois por serem polêmicas, nos obriga a apresentar soluções e formas mais fáceis de entenderem ou de nos fazer entender. Mas ainda lhe dar com colaboradores que apresentam esses perfis combinado… é ainda mais complicado. Entendam! Eu disse mais complicado e não impossível. Porque simpatia e carisma ainda abrem portas e facilita toda a comunicação.

    Sorriam, sejam humildes em seu mode ser e vão ser felizes.

    Cristiene Rodrigues

  2. Infelizmente acho esse tipo de conhecimento inútil diante de tanta corrupção.Tudo isso seria interessante se estivéssemos em ambientes de trabalho equilibrados e honestos,entretanto, quando lidamos com pessoas desonestas e/ou interesses muito diferentes daqueles que deveriam nortear nossas atividades profissionais,tudo isso torna-se irrelevante.
    A última que escutei foi”leva muito tempo para se saber quando uma pessoa é difícil em termos de atuação profissional”.
    Pois tenho experiências terríveis sobre sabotagem , ciladas,com meu trabalho,a ponto de pessoas mentirem sobre ações que não cometi e ainda dizerem ter testemunhas.Conclusão,fui demitida sumariamente,além de encontrar dificuldade para me recolocar.Percebi que as pessoas no meu ramo se aproveitam de não lidarnmos com câmeras,gravações,etc…
    Tenho realmente muita desconfiança dessa área de RH hoje em dia.Sinto.

Deixe uma resposta