A metodologia que identifica estilos profissionais

Você já ouviu falar em eneagrama? Ele é uma ferramenta que auxilia a identificar estilos de atuação, elementos motivadores e desmotivadores para indivíduos e equipes profissionais. Estudada em Universidades como Stanford e Harvard, essa metodologia gera uma aprendizagem transformadora e eficaz para quem lida com competências empresariais e humanas, além de explorar o autoconhecimento.

Estes eneatipos (nome dado a cada perfil) estão sendo usados por gestores para administrar esta análise em si mesmo, para sustentar uma visão mais ampla da realidade e percebê-los na equipes, reconhecendo os limites e potenciais de cada um. Acredita-se que esta divisão é o cerne da maior parte das dificuldades em se obter os melhores resultados por meio de pessoas.

Conheça os nove principais estilos de personalidade estudados nas grandes universidades e seus padrões dinâmicos de comportamento:

Tipo 1 – O Perfeccionista. Vício emocional: raiva. Centrados e com senso prático exigente, dão prioridade às tarefas a serem realizadas. O vício emocional é a raiva, que, por ser inconsciente, é justificada com a atitude esforçada e auto-imagem virtuosa – “Eu estou fazendo a minha parte”.

Tipo 2 – O Prestativo. Vício emocional: orgulho. São centradas na emoção, têm uma percepção aguda dos outros, tornando-se conquistadoras, que sabem como conseguir o que querem das pessoas.

Tipo 3 – Bem-sucedido. Vício emocional: vaidade. São centradas na ação ou no planejamento, visando reconhecimento. Têm uma visão mercantilista, que os guia na sua perseguição pelo sucesso. O vício emocional é a vaidade, que, por ser inconsciente, é justificada com a atitude progressista e auto-imagem eficiente.

Tipo 4 – Romântico. Vício emocional: inveja. São pessoas centradas na emoção, sensíveis ao ambiente e emocionalmente instáveis. A percepção emocional faz delas as que vêem o que a maioria não vê. O vício emocional é a inveja, que, por ser inconsciente, é justificada com a atitude insatisfeita e auto-imagem de singularidade.

Tipo 5 – Observador. Vício emocional: avareza. São centradas na mente, têm uma curiosidade pelo entendimento, tornando-se planejadores extremamente racionais. O vício emocional é a avareza, que, por ser inconsciente, é justificada com a atitude pouco expressiva e auto-imagem lógica e prudente.

Tipo 6 – Questionador. Vício emocional: medo. São centradas na ação ou na emoção, visando ao controle. São atentas e desconfiadas, embora não necessariamente expressem isso. Preferem se preparar a atirar-se de improviso. O vício emocional é o medo, que, por ser inconsciente, é justificado com a auto-imagem de precavido e realista.

Tipo 7 – Sonhador. Vício emocional: gula. Centradas na mente, têm uma agilidade mental para lidar com várias coisas ao mesmo tempo, dando prioridade ao prazer. O vício emocional é a gula, que, por ser inconsciente, é justificada com a atitude entusiasta e auto-imagem de hábil improvisador. Faço do limão uma limonada.

Tipo 8 – Confrontador. Vício emocional: luxúria. Centradas na ação, têm facilidade em mandar e liderar, dando prioridade à realização. O vício emocional é a luxúria, que, por ser inconsciente, é justificada com a atitude dominadora e auto-imagem realizadora. Tudo ao seu redor tem de ser intenso e desafiador.

Tipo 9 – Preservacionista. Vício emocional: indolência. Centradas na emoção ou na mente, têm uma atitude mediadora, dando prioridade ao bem comum. O vício emocional é a indolência, que, por ser inconsciente, é justificada com a atitude tranqüila e auto-imagem conciliadora.

E você, acredita que os padrões traçados por eneagramas podem definir comportamentos profissionais?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Be Sociable, Share!

One thought on “A metodologia que identifica estilos profissionais

  1. Sim. Eu credito que o eneagrama possa trazer grandes benefícios para os que optarem em aplicá-lo com seriedade, é uma ferramenta que ajuda a conhecer melhor o profissional e que aumentando as chances de encaixa-lo em uma vaga com o perfil que seja considerado o “ideal”.

Deixe uma resposta