Gamification no mercado corporativo

Na Era Digital, um dos termos em alta no mercado corporativo é gamification. O conceito sugere aplicar ferramentas e métodos típicos de jogos em um contexto fora do jogo em si. De olho principalmente nos jovens talentos, as empresas já perceberam que precisam fugir das ferramentas tradicionais e oferecer atividades desafiadoras, tanto nos processos seletivos quanto no desenvolvimento de competências.

O objetivo do gamification é elevar o engajamento das pessoas que são enquadradas dentro do jogo, envolvendo a todos, estabelecendo prêmios, disputas, conquistas, desafios e elevando a motivação. Dentro de equipes, a eficácia dessa ferramenta é particularmente alta. No que diz respeito à gestão de pessoas, o uso de games é capaz de desenvolver habilidades como socialização, aprendizado, colaboração, comunicação, competição, domínio de técnicas, etc.

Um levantamento recente informa que a técnica movimentou 450 milhões de dólares em 2013 e deve chegar aos 5,5 bilhões de dólares em 2018 – incluindo aqui o uso de jogos na educação e em outros contextos que não incluam exclusivamente objetivos de entretenimento. Já a pesquisa realizada pelo Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE), ONG norte-americana, prevê que 85% das tarefas do cotidiano até 2020 envolverão algum elemento de jogo.

Estudiosos da tecnologia da instrução na universidade de Bloomsburt (USA) dizem que há dois modelos de gamification. O primeiro é aquele em que são usados alguns elementos de jogos como pontos e ranking de liderança. O segundo vai além e transforma a vida real em jogo. Neste padrão, a empresa pode produzir um game que representa a atuação de sua equipe de vendas no mercado, por exemplo. É o que muitos chamam de “jogo sério”.

Geralmente, jogos possuem um funcionamento baseado em uma meta – um objetivo central que tem de ser atingido pelos jogadores e equipes envolvidos. No contexto empresarial e gerencial, é o mesmo: departamentos e empresas possuem sempre metas a atingir. Algumas vantagens do sistema incluem o feedback instantâneo, transparência, colaboração, noção clara dos níveis e motivação.

Numa pesquisa global realizada pela Sociedade Americana de Treinamento e Desenvolvimento (ASTD) com mais de 500 departamentos de RH, descobriu-se que, entre os entrevistados, 25% já utilizam algum tipo de mecanismo de gamification em treinamentos com foco no engajamento de equipes. Outros 19% afirmaram que usam games com elementos como histórias, atingir objetivos, feedback e até ajudar pessoas para reforçar habilidades específicas nos colaboradores. Já 56% dos entrevistados confirmaram que o uso da ferramenta está nos planos estratégicos da área de Recursos Humanos na companhia em que atuam. Contudo, 19% dos entrevistados não têm planos ainda de implantar o sistema e outros 27% disseram que observam a necessidade de usar games que se parecem com o dia a dia de atuação de suas empresas.

.

______________________________________________________________________________________

MSA RH aborda no blog assuntos de interesse do mercado de trabalho e procura divulgar informações relevantes para os leitores, englobando temas do ambiente corporativo, como carreira, negócios e recursos humanos. É importante frisar que todos os dados e pesquisas apresentados neste espaço são de responsabilidade de fontes confiáveis, como institutos de pesquisa e veículos de comunicação de reconhecimento nacional e internacional.

O objetivo é, portanto, traçar um panorama imparcial sobre o universo profissional e gerar discussões sobre temas atuais e essenciais não só a quem vivencia o meio de RH, como a todos os profissionais brasileiros. Seja bem-vindo e contribua sempre com seus comentários, opiniões e sugestões!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Be Sociable, Share!

Deixe uma resposta


6 − = cinco