Empregos formais desaceleram

Os últimos meses não foram nada fácil para o mercado de trabalho. Segundo dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a criação de emprego formal teve seu pior setembro desde 2003, início do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Foram gerados no período 150.334 postos formais em setembro, com base nos números registrados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O resultado é 28% menor que o mesmo índice do mesmo mês do ano passado. Desde 2003, o maior volume de vagas criadas em um mês de setembro foi em 2008, de 282.841 postos.

Imagem: internet

Em relação aos salários, de janeiro a setembro, os ganhos médios de admissão revelaram um aumento real de 5,29% em relação a igual período do ano passado. No período, o salário passou de R$ 958,72 para R$ 1.009,48. O comportamento favorável foi verificado em todas as unidades da federação, com destaque para Acre (14,32%), Paraíba (12,56%) e Sergipe (9,80%). Os estados que registram os menores ganhos reais foram Roraima (2,16%), Paraná (3,63%) e Rondônia (4,45%).

Informações: Época Negócios

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Be Sociable, Share!

One thought on “Empregos formais desaceleram

  1. Com o crescimento esperado do PIB entre 1,5% e 1,7% para 2012 e sem que a forte retomada da economia ocorresse neste último trimestre do ano, um baixo crescimento do emprego formal não é algo que possa causar surpresa. Além do mais, o índice de desemprego já está bastante baixo – já se estaria próximo ao pleno emprego – o que pode significar que aqueles que estavam procurando emprego, agora já estão empregados. Os que estão fora do mercado de trabalho, assim estão porque desistiram de procurar um emprego – constataram que não tem as qualificações que são pedidas, e pararam de buscar – ou tem alguma fonte alternativa de renda, inclusive as de programas sociais, e preferem não buscar mais por um emprego no mercado formal. Talvez fosse o caso do governo, em conjunto com as empresas, iniciar um programa de capacitação – ou requalificação -de mão de obra. O modelo de treinamento de mão de obra existente na Alemanha poderia servir de exemplo.

Deixe uma resposta