A importância do nome da faculdade

O nome da faculdade ainda conta pontos nos processos seletivos de muitas empresas, mas foi-se o tempo que isso entrava como grande diferencial na disputa por uma vaga. Hoje, questões como alinhamento de expectativas e convergência de valores tendem a ser requisitos mais importantes do que a instituição onde o candidato estudou. O mercado vinha perdendo candidatos por atrelar capacidade à formação acadêmica. Com a experiência, os gestores foram se dando conta que essa visão estava ultrapassada. Especialistas apontam que há no mercado um forte movimento no sentido de ampliar o perfil dos profissionais e não de fechá-lo com ideias preconcebidas sobre a sua capacidade de atuação.

Características como cultura e compartilhamento de valores estão relacionadas especificamente ao perfil individual do candidato e não à faculdade que ele cursou. Os programas de estágio foram os primeiros a comprovar esse dado e os programas de trainees adotaram a prática assim que se deram conta de que esse é mesmo o caminho para a contratação de bons profissionais.

Competência é a palavra-chave para a seleção dos candidatos de muitas grandes empresas. No entanto, de acordo com vários profissionais de RH, se a característica vier atrelada a uma boa faculdade, melhor. Em síntese, competência é fundamental. E uma boa universidade pode colaborar para isso. Em algumas empresas, o peso da faculdade varia de acordo com o perfil do gestor que realiza o recrutamento. Após passar por todo o processo de seleção, se restarem dois profissionais concorrendo à vaga, com níveis técnicos semelhantes, pode ser que o gestor escolha o da faculdade que tenha maior peso.

Informações: Canal RH

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Be Sociable, Share!

2 thoughts on “A importância do nome da faculdade

  1. Concordo plenamente. Tive a chance de fazer uma faculdade federal, tanto na graduação como no mestrado, mas vi muita gente muito boa em faculdades menos conceituadas e que eram excelentes no que faziam, no entanto, com certeza teriam mais oportunidades se tivessem em uma faculdade de renome.

  2. Absurda e excetuadora ação que privilegia “Onde você estudou mesmo?” em detrimento à capacidade individual, experiência geradoras de real competência. Lamentável.

Deixe uma resposta